RSS

O velho sábio

26 Out

Georges Romey
Excertos adaptados

O velho sábio

De que regiões profundas do ser surge esta personagem? De que camadas misteriosas da consciência colectiva? Não há um lugar onde se possa situá-lo. Ele está presente na eternidade e só se manifesta em ocasiões excepcionais.

O Velho Sábio! O mais estranho, o mais determinante dos arquétipos! O velho é o arquétipo da sabedoria ligada à consciência universal. Para o leitor que não conheça a figura do velho solitário, convém desenhar-lhe a imagem-tipo.

Trata-se, geralmente, de um homem muito idoso, de barba ou cabelos brancos, que parece viver uma vida totalmente autónoma, longe das coisas deste mundo. Os seus atributos mais frequentes são, por ordem, a barba comprida, a vela, o Livro do Destino, o cajado e os carneiros ou cabras.

Tal enumeração deixa adivinhar que o velho tem, muitas vezes, a aparência de um sacerdote, de um pastor ou de um peregrino. Mas a lista de personificações que ele pode escolher é longa. Entre elas, notar-se-ão sobretudo o eremita, o monge, o pescador, o artesão, o druida, o chefe índio, o patriarca.

O velho sábio é sempre facilmente identificável porque se rodeia de características bem particulares. A mais relevante é esta estranha atitude que autoriza e interdita ao mesmo tempo, comunica e recusa dizer, manifesta uma benevolência tranquilizadora e uma reserva que parece ameaçar…

Por isto mesmo, o velho assinala a sua missão que é sempre a de cumprir uma acção mediadora. Cada um dos seus gestos, a sua aparência, o momento em que intervém na cura, colocam um par de valores relativos à luz de uma verdade total.

Os contrários antagónicos, à luz da sua vela, fundem-se numa unidade criadora, projectados repentinamente para além do bem e do mal tal como os apreende a razão humana. O papel do velho, arquétipo da sabedoria e do destino submetido à dimensão cósmica do sentido da vida, poderia preencher muitos volumes.

A sua aparição tem lugar no momento em que a atitude da pessoa face à imprevisibilidade do destino sofre uma transformação radical. A angústia nascida da confrontação com o mistério do devir tinha provocado uma reacção de vontade de domínio intelectual do destino. O esforço exacerbado para conjurar o carácter imprevisível do destino por uma previsão impossível absorve uma parte insustentável da energia vital.

Através da imagem do velho sábio, o paciente realiza a experiência da infinita relatividade. A relação com o destino não é mais uma procura de domínio, geradora de angústia, mas uma aceitação do significado desconhecido da vida, condição da harmonia essencial. O velho sábio convida o sonhador a colocar-se em comunhão com o mistério, atitude da qual depende a dissolução da angústia existencial

 

Etiquetas: , , , ,

One response to “O velho sábio

  1. anovamente

    2015 at 4:26 pm

    Grato por sua contribuição.

     

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: