RSS

A porta

26 Out

Georges Romey
Excertos adaptados

A porta

O sonhador ou a sonhadora que se encontrem numa sequência onírica que lhes proporcione um encontro com a porta não terão qualquer interesse em munir-se de utensílios de serralheiro. Nem sequer terão necessidade de uma chave, na maior parte dos casos. O imaginário propõe quase sempre ao sonhador que transponha uma porta aberta.

A abertura da porta onírica depende da vontade do sonhador de efectuar ou não a passagem do limiar que o separa do mistério. Este símbolo serve dois projectos distintos da dinâmica da evolução. A porta abre-se seja para lá da consciência, pondo o sonhador em contacto com o que ele queria ignorar de si mesmo, seja para lá da vida, o que o confronta com o vazio, com o nada. A porta tende a reunir as partes separadas do ser.

A porta esconde para melhor mostrar. Em terminologia freudiana, poder-se-ia dizer que a porta permite a reabilitação das pulsões recalcadas ou que, se preferirmos a terminologia junguiana, a porta dá acesso a uma parte da sombra.

A abertura mágica é um dos exemplos mais evidentes da passagem do limiar, já que sabemos que esta não se realiza através de um esforço racional por parte do sonhador. Só quando este tiver renunciado à dominação racional é que a porta se abrirá. O sésamo que dá acesso ao outro lado nasce desta renúncia.

Não revelaremos o que espera o sonhador do outro lado da porta até termos sensibilizado o leitor para o carácter mágico da abertura. No início de um sonho, Allan encontra-se no corredor de um castelo. Tudo em seu redor é gigantesco, tanto mais que ele foi reduzido ao tamanho de uma ratazana. A redução de tamanho é um dos indícios da autenticidade desta etapa do caminho. Eis o que diz Allan:

É um grande corredor sem janelas…avanço em direcção a uma porta enorme, gigantesca, em madeira negra ou escura. Apercebo-me de que a fechadura da porta se encontra a quinze metros acima de mim, uma vez que tenho o tamanho de uma ratazana… quero passar para lá da porta. Tento abri-la mas ela não se abre…de repente, abre-se sozinha e entro numa grande divisão… agora, já tenho o meu tamanho habitual.

Na maior parte das situações, a porta onírica abre-se diante do sonhador para lhe dar a conhecer o que ele não aceita de si mesmo. A maioria dos sonhos estudados mostra que o sujeito tem de lidar com a sua agressividade recalcada. Violência, agressividade, combatividade, desejo de realização pessoal, constituem uma série de formas de enfrentar o mundo e de se confrontar com o outro que o sonhador recusa.

Há disto exemplos extraordinários fornecidos por pessoas de confissão judaica. As circunstâncias cruéis em que sempre se encontraram são mais do que justificativas da sua recusa da violência e da combatividade. Mas, ao recusar o princípio da violência, estão a condenar as suas próprias pulsões agressivas.

Quantas vezes ouvimos sonhos nos quais o sonhador encontra para lá da porta o espectáculo do que ele odeia: a violência nazi. Um sonho de William ilustra a reabilitação da capacidade combativa:
<p align=”justify“>… Encontro-me diante de duas portas…uma delas abriu-se sozinha…bastou que eu olhasse para ela…estou diante de uma escada… igual àquela que conduzia à cave da minha infância… tive vontade de lá ir… as portas eram azuis…mas agora vejo o vermelho e o negro da bandeira da Alemanha nazi…vejo um homem de uniforme… é estranho… hoje posso ver isto com uma certa distância… remete-me para os medos da infância…aconteceu qualquer coisa nesse período da minha vida que bloqueou a minha aceitação do mundo real… a vida não suporta que evitemos sempre o confronto com ela…

 
2 Comentários

Publicado por em 2007 em porta, símbolos, sonhos

 

2 responses to “A porta

  1. Rita

    2011 at 3:10 pm

    Muito interessante, obrigada.

     
  2. Patricia

    2011 at 3:28 am

    sonhei com uma porta de madeira gigante que nao tinha maçaneta ou algo parecido, ela só se abria se eu achasse uma bola luminosa como se fosse um amuleto ou chave para abrir o portal. Lembro-me que tudo parecia um jogo e depois de lutas de espadas e um encontro majestoso com uma multidao, municiosamente alinhada, de homens, cavalos, unicornios, cachorros etc… conseguimos, eu e meu companheiro (no sonho) encontrar a tal bola para abrir a porta e ter acesso ao outro lado ou a proxima fase do jogo MAS o tempo havia acabado e a porta nao poderia mais ser aberta de nenhuma maneira😦

     

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: