RSS

A análise dos sonhos

06 Out

Carl G. Jung (org.)
O Homem e os seus Símbolos
Rio de Janeiro, Ed. Nova Fronteira, 1987

Excertos adaptados

Ensaio sobre o inconsciente

A análise dos sonhos

Comecei este ensaio (A importância dos sonhos) acentuando a diferença entre um sinal e um símbolo. O sinal é sempre menos do que o conceito que ele representa, enquanto o símbolo significa sempre mais do que o seu significado imediato e óbvio. Os símbolos, no entanto, são produtos naturais e espontâneos. Génio algum já se sentou com uma caneta ou um pincel na mão, dizendo: “Agora vou inventar um símbolo.” Ninguém pode tomar um pensamento mais ou menos racional, a que chegou por conclusão lógica ou por intenção deliberada, e dar-lhe forma simbólica. Não importa de que adornos extravagantes se ornamenta uma tal ideia – ela vai manter-se apenas um sinal associado ao pensamento consciente que significa, e nunca um símbolo a sugerir coisas ainda desconhecidas. Nos sonhos, os símbolos ocorrem espontaneamente, pois os sonhos acontecem, não são inventados; eles constituem, assim, a fonte principal de todo o nosso conhecimento a respeito do simbolismo.

Devo fazer notar, no entanto, que os símbolos não ocorrem apenas nos sonhos; aparecem em todos os tipos de manifestações psíquicas. Existem pensamentos e sentimentos simbólicos, situações e actos simbólicos. Parece mesmo que, muitas vezes, objectos inanimados cooperam com o inconsciente, criando formas simbólicas. Há numerosas histórias autênticas de relógios que param no momento em que o seu dono morre, como aconteceu com o relógio de pêndulo do palácio de Frederico, o Grande, em Sans Souci, que parou na hora da morte do rei.

Outro exemplo comum é o de um espelho que se parte ou de um quadro que cai quando alguém morre. Ou também pequenos, mas inexplicáveis, acidentes de objectos que se quebram numa casa onde alguém sofre uma crise emocional. Mesmo que os cépticos se recusem a acreditar nessas histórias, a verdade é que elas estão sempre a acontecer, e só isto basta como prova da sua importância psicológica.

Há muitos símbolos, no entanto, (e entre eles alguns de maior valor), cuja natureza e origem não é individual mas sim colectiva. Sobretudo as imagens religiosas: o crente atribui- lhes origem divina e considera-as revelações feitas ao homem. O céptico garante que foram inventadas. Ambos estão errados. É verdade, como diz o céptico, que símbolos e conceitos religiosos foram, durante séculos, objecto de uma elaboração cuidadosa e consciente. É também certo, como julga o crente, que a sua origem está tão soterrada nos mistérios do passado que parece não ter qualquer procedência humana. Mas são, efectivamente, representações colectivas – que procedem de sonhos primitivos e de fecundas fantasias.

Segue: Ensaios sobre o inconsciente IV – A função dos símbolos

About these ads
 
3 Comentários

Publicado por em 2007 in símbolos, sonhos

 

3 responses to “A análise dos sonhos

  1. Leda Magna

    2009 at 5:16 pm

    Fantástico!

     
  2. H2FB

    2010 at 12:43 pm

    Simplesmente fantástico seu blog !!!
    Parabéns pela iniciativa!

     
  3. maristela moretto

    2011 at 12:20 pm

    Gostaria de saber o quê significa o sonho recorrente de que sempre estou em algum lugar muito alto(e com muito medo de cair) e após muita luta, muito medo e dificuldade e ainda, observando outros o fazerem com muita facilidade e sem medo, consigo transpor o obstáculo.

     

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

 
Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 28 outros seguidores

%d bloggers like this: